segunda-feira, 6 de agosto de 2007

Torre Bela


Lembro-me de há uns anos ver este documentário, num aniversário do 25 de Abril. Impressionou-me muito!!! Cheguei mesmo a ficar chocada com algumas cenas, como a de queimarem os livros da biblioteca e mexerem na roupa interior das Senhoras da casa. Fiquei arrepiada ao pensar que uma cena parecida podia ter acontecido na nossa casa...mas não, o Minho , mesmo na loucura dos cravos, era mais calmo e cenas destas não aconteceram!!!
O meu Avô era um homem respeitado e muito trabalhador. Dava trabalho a muita gente e não deixava que ninguém passasse fome. E também trabalhava como um louco. Sempre me ensinou que para saber mandar, primeiro é preciso saber fazer!!! Como faz falta este ensinamento no nosso país!!! Tantos a mandarem fazer o que que não sabem!!! Bem, voltando ao meu Avô, era adorado pelos caseiros e pelos criados. Ainda hoje vão lá a casa, anos sem voltarem e muitos de estrangeiro duro, duro, duro, e voltam com os olhos encharcados em lágrimas comovidas dos bons tempos que ali passaram. É bom ouvir, dos moços de recados, das criadas, das cozinheiras, dos jornaleiros, enfim, de todos que por aquela casa passaram, só boas palavras. Claro que também momentos menos bons se passaram, mas quem não os passa?!?!


A Torre Bela vai passar nos cinemas. E eu quero ir ver e a minha Mãe já me disse que também não falta...pode ser que desta vez, com o documentário na integra, eu entenda melhor os porquês de tanta revolta!!! Melhor? eu entendo, só não compreendo, mas que os incentivaram à revolta e os abandonaram isso não há dúvida.... que miséria de país o nosso e que revolta foi esta que deixou quase tudo na mesma!!! Revolução agrária, onde?!? digam-me!!!


Bem, para quem achar que um pedaço da nossa história recente está aqui, vá ver. Pode ser que se entendam melhor as coisas, que não foram tão um mar de rosas, ou melhor de cravos como se julga!!!

Torre Bela

P.S.: O meu mais revolucionário e político post....vamos lá ver no que isto dá!!! Este é o meu outro lado, o lado de um dia-a-dia e de uma realidade com a qual vivo!!!

3 comentários:

Rosa disse...

Olá,
Pelo pouco conhecimento que tem do 25Abril não deve ter mais de 30 anos, perdoe-me a franqueza. A revolta não surgiu no meio agrário. Foram os militares (principalmente por causa da guerra no ultramar) e o movimento político clandestino que desencadearam a revolução.
A violência e o desrespeito que houve no período revolucionário, não foram nada, comparando com os acontecimentos antes da revolução; já ouviu falar no Tarrafal, no assassinato do Humberto Delgado, no assassinato da Catarina Eufémia, assassinato/espancamentos de estudantes universitários e presos políticos, torturas a operários para denunciar colegas, etc.
Portugal mudou estruturalmente a todos os níveis. Imagina o Sócrates mandar matar o Marques Mendes por ele ser uma... força de bloqueio. E a um outro nível, você não teria Crocs, não teria blog (a PIDE entrava em colapso com tantos blogs para ler), e viveria num país ainda mais atrasado. Hoje é tudo tão naturalmente acessível que é quase difícil imaginar como se vivia antes do 25 de Abril.
Eu também reclamo bastante pelo estado de muitas coisas na sociedade, mas a verdade é que foram 50 anos de ditadura e mais outros tantos de confusão republicana e monarquia falida.

Kika & Inês disse...

Olá Rosa,
Já sabia que ia ser mal interpretada, afinal só me referi a um documentário e ao que vi. Naturalmente que ir vê-lo na integra me facilitará a compreensão de algumas coisas, que às vezes parecem impossíveis de compreender. Felizmente não vivi na ditadura e felizmente tenho uns pais que não tiveram problemas durante a sua infância e adolescência. Ficaram contentes com o 25 de Abril, mas não foram para a rua. Há formas diferentes de ver, como deve compreender. Foram sempre uns privilegiados, como muitas vezes me referiram. O meu Pai foi um combatente da guerra do ultramar, que muito falava disso. Felizmente não veio traumatizado como muitos que passaram por momentos indescritíveis e torturantes. A minha Mãe conta-me situações de revolta no local de trabalho, no PREC que a marcaram bastante, mas que ultrapassou com aquele seu temperamento natural!!! Bem, coisas que não são para aqui chamadas, e não serei eu a contá-las. Mas tenho na família quem tenha dado o "salta" para fugir à guerra e à repressão.
Fico contente que tenhamos liberdade de expressão, isso foi conquistado (às vezes não parece!!)temos acesso a muitos bens que antes era impossível e temos acesso a todos os livros e ferramentas que nos são dadas e podemos utilizar com toda a liberdade (infelizmente às vezes não utilizada com as melhores intenções por alguns...mas a liberdade é assim, não é?)e ter a liberdade de expressão para dizer banalidades...
Gosto muito do País onde vivo e garanto que não o trocava por mais nenhum, mas como é normal sinto-me insatisfeita e muitas vezes revoltada com o que vejo. Normalmente não o refiro aqui, por opção. Pois para além de Mãe, dona de casa, artesã e de bibliotecária desempregada a tentar a sorte tenho o outro lado, como todos nós?!?!
Obrigada pelo comentário e peço-lhe desculpa se a ofendi em algum ponto, não era, de todo minha intenção e não me imagine uma "dondoca" sem miolos, porque não o sou.
Esforço-me muito todos os dias e com muita força é que consigo suportar as injustiças e negações que ouço várias vezes. Mas a vida é assim, feita de altos e baixos, não nos podemos é agarrar aos baixos, não é?
Obrigada pela visita e espero continuar a recebê-la aqui, na minha sala-de-estar virtual...

Kika

Rosa disse...

Querida Kika,
A escrita tem limitações difíceis de ultrapassar. Quando escrevemos, mentalmente, damos uma entuação, e quem lê dificilmente irá ler do mesmo modo, podendo dar um sentido completamente diferente, criando equívocos entre duas pessoas bem intencionadas.
A comunicação na blogosfera tem sempre esta vulnerabilidade.

A "dondoca sem miolos" fez-me rir, não fiquei nada com essa impressão.

Vou passando...
Beijinhos